segunda-feira, 8 de março de 2010

Chefe Carlos Alecrim











Do Vidigal para a Noruega
Com 34 anos, casado com Marianne, desde dezembro de 96 e 4 filhos. Quem olha esta foto do modelo Carlos Alecrim nem imagina a história de vida que ele tem. Nasceu no Rio de Janeiro e foi para a Noruega trabalhar como modelo (de 91 a 97). Hoje é chefe de cozinha, foi responsável pelo jantar feito para o premio Nobel, está indo para a Noruega amanhã (09 de março) para filmar a pesca e curiosidades sobre o bacalhau e também amanhã fará um Risoto com Cogumelos no Mais Você.



Como conheceu a esposa
Ele cresceu na comunidade do Vidigal, enquanto a Marianne tinha imunidade diplomática, o pai era o Consul Geral da Noruega. É assim que ele começa a relatar o que viveu...“Eu nunca a encontraria se a minha mãe não tivesse me levado a uma agência profissional. (valeu mãe!). Logo no início da carreira, fui a uma festa no Grill One no Centro (RJ) e me lembro de 3 louras lindas. Marianne, uma irmã dela e uma amiga. Segundo minha esposa, já nesse dia ela estava me olhando, mas eu estava meio "alegre" demais para perceber. (Essa foi a versão dela!!). A minha versão é que vi 3 lindas mulheres, em especial a Marianne. Eu era bem novo na idade e como modelo e pensei: Sim elas são lindas, mas não vão querer saber de mim. Aqui está cheio de top model, então estou no final da fila. Fui embora e depois eu soube que ela não gostou. Depois de alguns dias fui convidado para uma festa na boite Trap. Quando entrei a primeira coisa que vi foram os olhos verdes no meio daquela escuridão. Imagina o brilho mágico! Era por coincidência festa de aniversário da amiga dela. Aqui começou nossa aventura.

Casou e construiu uma família
Hoje nós temos 4 filhos, Natalie de 16, Nikolas de 12, Natasha de 4 e Nathaniel de 2.
Sim todos começam com a letra N, mas não sei explicar a razão. Nós somos meio aventureiros. Os dois primeiros também trabalham como modelo. A minha carreira como modelo começou quando eu tinha uns 15 anos. Recebia vários convites para fazer fotos etc. Sempre que contava para minha mãe, ela ficava muito preocupada, pois tinha medo de más intenções. Decidiu então me levar a uma agência profissional. Agencia Class. Logo em seguida comecei a fazer vários trabalhos. Depois de um tempo fui para a agência Ford. Mais tarde fui convidado para a Elite, onde fiz bastante coisa legal.




Foi contra todos
Em 94 e 95, contra a vontade da família e da própria Marianne, Carlos resolve ser voluntário para a tropa de elite pára-quedista. “Nossa filha já estava com 1 ano, e ela me fez prometer que quando fosse me apresentar iria pedir dispensa do servico militar por ser pai e precisar trabalhar. Na verdade eu estava disposto a isso. Mas na hora que o soldado disse: Vocês parecem todos machos! Quero ver se tem algum macho mesmo de verdade, voluntário para pára-quedista,osso duro de roer! Daquele jovens todos(muitos), ninguém teve a coragem de erguer as mãos. Admito que a razão dizia: nem pense nisso! Mas meu coração dizia: Se não fizer agora irá se arrepender. Ergui as mãos, e o soldado me levou para o centro do grupo e disse: "Aqui temos um exemplo de um verdadeiro guerreiro. Agora vamos ver se ele agüenta!"
Depois do quartel, precisou de um tempo para voltar ao normal
Em 97 decidimos tentar a vida na Noruega. Essa decisão veio meio que do nada, apenas mais uma aventura. Nosso plano era tentar mais uma coisa nova, tentar um trabalho novo, uma vida de família. Apesar de ser norueguesa, minha esposa morou a maior parte do tempo em outros lugares do mundo. Então passar um tempo na Noruega era interessante para ela também, pois não conhecia a vida adulta de lá. Cheguei na cara e coragem, sem dinheiro, começando do zero, com uma filha e esposa grávida do próximo.
Ainda não pensava muito em sonho, queira conhecer a cultura no exterior e conhecer o mundo. Neste momento estava com 21 anos. Sabia que iria encontrar barreiras, idioma, cultura, trabalho etc mas como consegui sobreviver ao pára-quedismo e essa seria mais uma aventura cheia de desafios que superaria. Dessa maneira eu pensava naquela época. E me ajudou muito. Sempre gostei de desafios.

Na Noruega
De garoto de praia do Rio, para um estrangeiro tentando se virar na Noruega, sim foi exigente. Decepções e momentos difíceis tive vários. O que me ajudava eram meus filhos, minha esposa que também sempre foi guerreira. Além disso tinha meus pais aqui sempre no telefone e a garra de não desistir. Com o passar do tempo aprendi que muitas das decepções e os momentos difíceis são importantes para chegarmos aonde queremos.
Como estive presente nos partos da minha esposa (todos naturais sem nenhum tipo de anestesia por escolha dela), aprendi que derramando lágrimas e a dor que ela sentia faziam com que a felicidade e a recompensa viesse junto com aquele bebê com cara amassada. Existe uma relação interessante entre o esforço, sacrifício e as lágrimas com a vitória, realizacão.
Hoje não só amo a Noruega, como faço da Noruega minha casa também. Sou um felizardo em poder curtir um dia inteiro na praia com amigos e no dia seguinte estar nas montanha da Noruega com mochila nas costas, esquis nos pés e barraca para acampar no gelo. Adoro esses contrastes!

As dificuldades fizeram dele um chefe-modelo
Dificuldades tive muitas. Dificuldade sempre vi como desafio e como gosto de desafio, corro atrás para superar. Uma grande dificuldade que tive foi a cultura diferente que encontrei na Noruega. Outra foi a falta de sol e o inverno rigorosíssimo de meses. Sobre trabalho passei também por um teste, foi quando consegui um extra para carregar entulho do quinto andar nas costas!! Esses desafios fazem uma pessoa refletir. Para piorar a situação, comecei a sentir dores insuportáveis nas costas que espalhavam para as pernas. Pensei que era um mal jeito e continuei trabalhando assim semanas....Chegou um momento que não conseguia nem esticar a coluna. Fui ao médico e foi constatado hérnia de disco. Fiquei sem atividade um tempo, mas como precisava trabalhar arrumei um emprego como lava pratos num restaurante. Trabalhei lavando casas de pessoas e como segurança de boite. Hoje me orgulho de tudo, tenho uma história para contar.

As coisas esquisitas que encontrei
O norueguês na praia é bem liberal. As mulheres de topless, os caras trocam roupa na grama, crianças correm peladas etc. Quando chego na praia de sunga, todos ficam olhando. Me sinto como se estivesse nu com a mão no bolso. Se estivesse de short não olhariam dessa maneira. Até hoje não descobri o porquê mas resolvi usar o tal short.
O inverno é muito rigoroso, no meio do inverno quase não se vê e praticamente não se sente o sol, por semanas! Finalmente quando o sol aparece e começa a bater na pele, a maioria fecha as cortinas etc. E eu corria para sentir um solzinho..Até hoje não entendo, perguntei a minha esposa que me deu uma resposta sem dizer nada. Acho que esses caras tem um lado vampiro escondido!

Para um carioca de praia, que não tinha muita relação com essa coisa de tempo e horário aprendi apanhando
Às 12:36 passa um ônibus. Não é como aqui que se tem transporte quase que na porta de casa. Lá você se adapta ao transporte e não o transporte a você. Ando uns 1500 metros para pegar esse ônibus que é tão caro quanto avião!! Se passar 1 minuto e você não estiver lá, você perde o ônibus. E perde mesmo! O motorista até te olha no retrovisor e vai embora! (rsrs). Quantas vezes eu quis "brigar" com esses motoristas, mas no fundo o cara estava certo, eu tive que me adaptar e hoje conheço vários motoristas que são super simpáticos. Ahh, se quiser esperar o próximo ônibus, não tem problema. Passa em 30 minutos e a temperatura lá fora é de -20º C!! Boa sorte!
Apesar de serem bem certinhos com o horário, eles tem uma expressão traduzida ao pé da letra: "Antes ou depois do jantar". Eles utilizam para marcar encontros etc. Depois de 10 anos aprendi que antes do jantar pode significar algo entre 10 e 13 hs e depois do jantar significa entre 14 e 17h. Mas quando eles marcam entre si, tudo fica certo. Eles se encontram certinho, ninguém espera ninguém. Mas quando querem marcar comigo, sempre exijo que me digam que horas antes ou depois do tal jantar. Se um amigo for jantar às 18 hs mas quer marcar um encontro depois do jantar, ele vai dizer entre 14h e 17h e não depois das 18h!!! (???). Até aprender isso na prática...
Outra coisa esquisita é a relação com o álcool. Muitas restrições e caro.
Durante a semana ninguém bebe, chega fim de semana, aquele teu vizinho, um senhor de terno e gravata sempre educado mas seco, que nunca mostra os dentes. Meu Deus! Bebem muito! Mostram os dentes e outras coisas também!!! (rsrs). Na segunda feira, o cara passa e diz bom dia e fica na fila de ônibus do seu lado como se nada tivesse acontecido. Cada um com sua doideira!! Eu respeito.

Estou de volta ao RJ
Agora que voltei ao RJ, depois de 13 anos fora, vi como aprendi e cresci nesse período. Crescimento na maturidade, na vida pessoal e profissional. Minha visão ampliou e tenho maior compreensão para certas coisas/ações. A experiência que trago de trabalho é bem diversificada. Desde lavar pratos até ser chefe de cozinha.
Já trabalhei com guia Michelin, fui também chefe executivo de 2 dos maiores hotéis da Noruega. Já tive meu restaurante e obtive muita critica positiva. Digo com orgulho que talvez seja o primeiro chefe brasileiro, modelo e tropa de elite a acompanhar a família Real de um país, talvez uma combinacão não muito comum. A delegação era composta por 4 chefes, sendo um deles o campeão do concurso francês Bocuse Dòr.

A Gastronomia com Alecrim
Ahh, o nome Alecrim é meu verdadeiro nome. Talvez o destino?!
Sobre minha culinária, diria que é internacional, muita base na french cuisine, mas tento sempre buscar impulsos das minhas raízes brasileiras e minha convivência na Noruega, o encontro do exótico sul (Brasil) e norte (Noruega)

O bacalhau
Bacalhau do Atlântico, Gadus morhua. Principal pesca acontece no mar Nórdico, Barents
Bacalhau do Pacífico, Gadus macrocephalus. A maior parte da pesca acontece no norte do Pacífico
Existe uma diferença entre os dois, apesar de não ser grande diferença no paladar. Fisicamente a diferença encontra-se no tamanho. Dois peixes de mesmo peso, o morhua é um pouco mais comprido enquanto o macro, menor e mais compacto. Além disso, se compararmos a cauda dos dois, o morhua é mais quadrado tipo L, enquanto o macro é mais em forma de um v. Minha maior experiência é com o morhua. Peixe magro de baixo teor de gordura. Rico em vitaminas A, E, B6, B12, Cálcio, Sódio, Ômega 3 etc. 
Não sou nenhum perito em história, mas os Vikings foram os pioneiros na produção do bacalhau. Naquela época não tinham o sal, o peixe era ressecado perdendo até quase a quinta parte de seu peso. Dessa maneira o peixe ficava conservado e muito duro e era consumido aos pedaços nas longas viagens pelos mares.
Outros tipos de bacalhau além do morhua, que é considerado o mais nobre e o mais caro, são:
Zarbo, pequeno de tamanho e compacto
Ling, mais estreito e comprido
Saithe, sabor forte e carne mais escura
Adoro todos os tipos. Consumo o bacalhau e na forma fresca. O Saithe fresco principalmente no inverno gosto frito e banhado no creme de leite, cebola, pimenta moída. O Ling levemente cozido, ervas e um bom beaurre blanc, ou um bom azeite e ovo cozido (pouco antes do ao ponto). O Zarbo ensopado, concasse, coentro e limão
Outra coisa que tenho experimentado muito nos menus que tenho feito, é a combinação de outros tipos de bacalhau com impulsos exóticos brasileiros. Aqui tenho experimentado com o bacalhau seco, o seco e salgado(o que utilizamos no Brasil) e o seco maturado.

Na TV
Participei de um programa de TV bem interessante na Noruega. O mundial de volei de praia foi organizado em julho de 2009 na cidade de Stavanger. Neste show foi feita uma competição gastronômica entre os três países favoritos: Brasil, EUA e Noruega.

Cada país tinha dois de seus melhores atletas e um chef representando. Os EUA receberam salmão como produto principal, a Noruega recebeu o Halibut (tipo linguado, só que muito mais grosso e carnudo, um peixe maravilhoso!), além disso, eles contaram com o chef norueguês (esse chefe irá representar a Noruega em Lyon no Bocuse Dòr. A Noruega está entre os maiores vencedores do concurso ao lada da Franca. Ou seja, osso duro de roer para vencer esse cara). E o Brasil recebeu o bacalhau. Nessa competição utilizei o bacalhau seco também, torrado na grelha e servido em caldo de limão, azeite e pimenta como um dos componentes do prato. Com a ajuda dos nossos atletas, Ana Paula e o Emanuel Rego ganhamos a competição! Uma vitória bem saborosa! Esse programa de 30 minutos foi exibido na Noruega e nos EUA.

Você já viu cabeça de bacalhau?
Língua de bacalhau, não é um produto que se encontra facilmente nos restaurantes. Eu diria que é como se fosse o fígado de boi aqui. Muitos comem mas é difícil de se encontrar em restaurantes de nível médio plus.
(abaixo cabeça de bacalhau e à direita, lingua de bacalhau na panela)


 


Daniela Meira - produtora de culinária Mais Você

5 comentários:

Renato Saavedra disse...

Muito bom, muito bom... legal ficar sabendo de que o mundo esta cheio de pessoas como a gente, que rala muito e que nao desanima nunca... Parabens pela materia e parabens ao Carlos pela qualidade profissional!!!!

Beijo grande pra ti!!!!

Renato

Martosa disse...

Adorei o programa, vocês estão de parabéns por ter escolhido um rapaz tão bonito, jovem e talentoso como Carlos e ainda por cima com uma história tão bonita de garra e perseverança. A receita é maravilhosa, já testei e funcionou acho que deveriam ter ele ai mais vezes, aqui em casa foi uma loucura, as empregadas e minha filha não sairam da frente da televisão, afinal não é todo dia que se vê um rapaz tão bonito cozinhando com tanto charme... Parabéns ao programa por te-lo escolhido e sorte nossa termos desfrutado desse programa.
Marta Isaksen

Pamela Iris disse...

Moro atualmente na Noruega.
Tive a oportunidade de ver esse super CHEF em matéria publicada em jornal e na TV norueguêsa.
É realmente um gato!
Estava procurando por receitas na internet até que encontrei o que buscava no site da Ana Maria Braga. Amo o programa dela, principalmente com convidados como o Carlos Alecrim. Gostaria de vê-lo mais vezes no programa!
Parabéns ao Chef Alecrim e a produção do programa. Beijos Pamela Iris Hansen

Carlos disse...

Oi gente!
Muito obrigado pelos comentários!
Que bom que gostaram!
Acabo de chegar na Noruega e mal consegui entrar pela porta, muita neve mas é lindo.
Dani, obrigado pelo trabalho,
sua página " tá super maneira" !
Já vou indo mas em breve (páscoa)tenho mais coisas para contar e mostrar.
Valeu pelo carinho!
Beijos para as senhoritas e um forte abraco para o Renato.
Alecrim

sabrina disse...

Estou super impressionada de como as coisas acontecem para nos sinalisar para os caminhos que temos de seguir.
Já havia visto anteriormente este Super Chef gatíssimo na Ana Maria Braga, mas hoje o vi novamente, exatamente no momento em que estou pensando em ir para Noruega. Acredito que tenha sido um aviso de Deus, que pode ser um bom caminho a ser seguido.
Adorei vê-lo de novo, e lógico, por seus curiosos e saborosos pratos de bacalhau e por sua beleza.
Parabéns!!
Bjss